O que você precisa saber para viajar com seu dog?

Oi pessoal!

No final de ano muitos de vocês vão sair de férias e, provavelmente, já devem ter planejado ou estão pensando para onde vão com a família, certo?! Esse texto é para você que optou por viajar com o seu amigão!

Um ponto importante é definir se você vai viajar de carro ou de avião. Existe um protocolo específico para você viajar com seu cachorro de avião e tem um longo preparo para isso. Se a sua viagem é de curta duração e você pode deixá-lo, eu escolheria essa opção para não causar estresse desnecessário para o seu dog. Agora se você vai de carro, é mais tranquilo, mas também existem algumas coisas importantes para prestar atenção.

Falando do transporte, primeiro, o seu cachorrinho deve estar acostumado a andar de carro, se não, isso vai ser terrível pra ele. Uma forma bacana é que ele se acostume aos poucos com o carro e com os passeios, inclusive, você pode consultar um adestrador para te ajudar com isso. Supondo que ele já está bem acostumado a passear de carro, você precisa garantir a segurança dele no veículo, deixando ele preso com o cinto de segurança (utilize um peitoral, não coleira de pescoço para não enforca-lo em caso de algum tranco) ou outra opção é deixá-lo tranquilo na caixa de transporte. Lembrando sempre que qualquer tipo de equipamento só deve ser utilizado se o cão está acostumado e confortável com ele, tá?

Transporte alinhado, vamos às pesquisas de hospedagem! Sempre verifique com o hotel, pousada, casa ou apartamento que você vai ficar, se eles aceitam o porte do seu cachorro. Minha sugestão aqui é até enviar uma foto dele pra não ter erro! Pergunte quais são as áreas que ele pode ficar, se pode dormir no quarto, se pode ir nas áreas comuns, caso você dê comida natural, se tem freezer e geladeira pra manter o alimento e que locais de entretenimento você pode levá-lo com você. Porque também, não é legal você levar ele para viajar e deixar ele trancado no quarto o dia todo! Nesse caso, eu sugiro que você encontre um lugar pra deixa-lo e você poder viajar tranquilo (eu gravei um vídeo com opções para você que quer viajar sem o seu cachorrinho – Acesse aqui).

Bom, hotel selecionado, vamos arrumar as malas!  Por segurança ele precisa estar vacinado, vermifugado e com antiparasitas ou repelentes para preveni-lo de pulgas, carrapatos e picadas de inseto (aqui, existem pessoas que fazem protocolos diferentes de vacinação, mas não tem problema, o importante é que o seu dog esteja saudável e se previna de pegar qualquer doença durante a viagem). Leve a comida dele para todos os dias, o potinho para água, lembrando de levar aquele que você deixa no chão e um portátil para os passeios. Aqui nos passeios também não pode esquecer a coleira e a guia. A caminha ou coberta que ele esteja acostumado a dormir, brinquedos que ele goste para se divertir são sempre bem-vindos! Último ponto importante, se ele está sem identificação, coloque nele uma plaquinha com nome e telefone. Isso vai ajudar você a encontrá-lo caso ele se perca.

Pronto, agora é só viajar! Mas não se esqueçam que vocês vão precisar fazer paradas no caminho para que ele possa beber água, fazer suas necessidades e até mesmo caminhar um pouco! Cada cão terá um tempo, mas caso você perceba que ele está inquieto, não demore para parar.

Espero que vocês tenham curtido! Comentem, deem sugestões de temas e sigam a gente nas redes sociais facebook, instagram e youtube.

Até a próxima!

Quais são os cuidados que você deve ter com seu doguinho mais velho?

Olá pessoal!

Todos os seres vivos envelhecem com o passar dos anos e não seria diferente com os nossos queridos cães. E, assim como nós, existem cuidados que precisam ser tomados para garantirmos que eles vivam bem e tenham qualidade de vida.

Primeira coisa é perceber os sinais de que nosso amigão ou amigona está envelhecendo. Claro que cada indivíduo terá uma forma de envelhecer e não existe um padrão ou fórmula, mas na maioria dos casos você perceberá um ou mais sinais, como: os olhos começarem a ficar esbranquiçados, a pelagem clarear ou modificar sua textura e brilho, mau-hálito, dificuldades para se locomover, maior sonolência, cansaço, mais sensibilidade à variações de temperatura,a entre outros.

Também, as necessidades nutricionais vão mudar, por isso, uma alimentação balanceada, rica nas vitaminas e minerais necessários para a faixa etária dele(a) vão contribuir para a longevidade do seu bichinho. Claro que não é só a qualidade da alimentação que é importante, mas também a quantidade, evitando a obesidade que pode causar problemas de saúde. Ainda sobre alimentação, a tendência é que a dentição do seu cachorrinho idoso fique mais sensível, fraca e até desgastada, por isso, é bom ficar atento ao tipo de alimentação, para garantir que ele mastigue com facilidade. A Cyndi Lauper, cachorrinha já idosinha, que fez parte da nossa família, tinha seus dentinhos quebrados e ela comia muito pouco no começo quando eu dava ração para ela. Quando mudei para a alimentação natural com alimentos cozidos, usando suplemento adequado para idosos (claro!=)), ela passou a se alimentar muito melhor! Mas, como comentei, cada caso deve ser analisado em particular.

E atividade física? Será que pode? Com certeza!! Sempre respeitando o ritmo do seu cachorrinho. No caso de interações com outros pets é legal monitorar e mantê-lo com cães menos agitados. Você pode brincar com ele dentro de casa, leva-lo para fazer passeios curtinhos e isso vai contribuir muito para o bem-estar dele. Clique aqui e veja o vídeo que postei sobre passeio, lá você vai saber porque é tão importante passear com seu dog=)

Além disso, deve-se dar atenção aos cuidados com a higiene, mas não só o simples banho, mas o cuidado com a estrutura física do seu velhinho. A tendência é que ele fique mais sensível, então, é muito bacana que o banho seja dado com cuidado e carinho para não causar desconfortos. Lembre-se também da higiene bucal e das orelhinhas dele(a)!

Para finalizarmos, eles podem estar mais suscetíveis a doenças e, por isso, fique atento a mudanças de comportamento. Coisas que ele não costumava fazer e passou a fazer, desconfortos, alteração do apetite etc. Aqui é legal reforçar que fazer exames periodicamente, vão ajudar na detecção precoce de possíveis problemas de saúde do seu cachorro. E, não se esqueça de sempre buscar um veterinário de confiança quando você tiver qualquer dúvida.

Gostou? Quer um tema diferente? Me conta nos comentários aqui ou em nossas redes sociais facebook, e instagram. Quero sempre trazer pra vocês temas relevantes e que impactem positivamente a relação de vocês!

Tosar ou não tosar o cachorro no verão?

Oi pessoal!

Andando pelas ruas, nos condomínios e nos parques, não é difícil ver vários cães tosados durante o verão. Mas será que isso realmente ajuda eles a ficarem com menos calor?

Bom, esse texto é para você que tem essa dúvida e sempre está preocupado com o bem-estar do seu cãozinho.

Primeira coisa a saber é que o seu doguinho não sua como a gente. Mas o que isso quer dizer? Quer dizer que eles não têm células sudoríparas pelo corpo como nós. De maneira bem simples, como o suor serve para equilibrar a temperatura do nosso corpo; quando está muito calor, as pessoas suam como forma de trocar calor com o ambiente, sempre do mais quente para o mais frio, ou seja, se seu corpo está muito quente, ele vai expulsar esse calor pelos poros através do suor.

Já os cães podem perder calor através do focinho, das almofadinhas das patas e pela língua. Então, tadinhos! Tanta área com pelos e ainda não tem troca de calor? Aí que a gente diz que a natureza é sábia! Esse processo de perda de calor é o mais significativo para os cães, por isso, quando está muito quente eles tendem a respirar com a boca aberta e salivar bastante. Mas não é só isso, existem outras formas do seu cão buscar equilibrar a temperatura do corpo e você pode observar quando ele se joga com o barrigão em uma superfície fria ou quando ele fica com a cara no ventilador, por exemplo.

Tendo essas condições, vamos ao que interessa! A tosa ajuda ou não ajuda o cão a ter menos calor? Depende! A tosa vai contribuir em duas das situações acima: quando o cão entra em contato com superfícies frias, porque a pelagem mais curta facilitará esse contato, e quando ele está num ambiente fresco, com brisa ou o ventilador ligado, porque também será mais fácil para ele trocar calor com o ambiente. Por outro lado, de nada vai adiantar a tosa, e na verdade, será prejudicial para o cão, se ele for exposto ao sol. Pois nesse caso, a pelagem sim, atua como uma capa protetora, principalmente, com relação aos raios solares, que, inclusive, podem causar câncer de pele. Um item adicional é que além da proteção contra os raios solares, a pelagem protege o animal contra picadas de insetos.

Claro que existem outros fatores a serem considerados na hora de pensar em tosar o cão, como o tipo de pelagem, a raça, a facilidade nos cuidados para manter os pelos limpos e escovados, mas quando falamos de calor, devemos levar em consideração outras ações importantes, como: manter o ambiente fresco, utilizar tapetes que refresquem, sempre escovar/rasquear os pelos para retirada dos pelos mortos, água fresca e passeios em horários sem sol.

Bom, espero que vocês tenham gostado! Comentem aqui, deem sugestões de temas e sigam a gente nas redes sociais facebook, instagram e youtube . Inclusive, falando de calor, postei um vídeo com 4 dicas simples para vocês com relação aos cuidados com o dog no verão! (https://bit.ly/2NIr5rE)

 

Até a próxima!